sábado, 19 de dezembro de 2015

→Meta←

Olá magrelas ★




Aqui eu estava com 60,9kg no dia 10 de dezembro de 2015


É, demorou (7 meses) mas consegui. Duas metas batidas, a primeira chegar aos 70kg e a outra chegar até os 60kg (até o dia 25 de dezembro) juro que pensei que não conseguiria.

Mas Any,

• Como você conseguiu perder esses 20kg?

• Como se sente agora?

• O que pretende fazer agora?

 Bom, vamos por partes:

→ Como consegui emagrecer:

Tudo começou quando eu estava tão gorda, mas tão gorda que decidi “aceitar" repetia para mim mesma que eu era mais que só um corpo, que tinha uma personalidade incrível e chegaria longe se me dedicasse aos estudos e me aperfeiçoasse cada vez mais profissionalmente. A essa altura meu casamento estava tão frio que cheguei a pensar que talvez ele não fosse tão bom pra mim (sim, olha o nível de enganação da pessoa). Sempre fui muito tarada, sexo é de grande importância na minha vida, já não o fazia com tanta freqüência. Meu desejo estava quase a zero. Depois de muitos comentários gordofóbicos e piadinhas, depois de não ter roupas que me coubessem a gota d'água foi eu empurrar meu marido a ponto de quase derrubá-lo e ouvir “tá parecendo uma lutadora de sumô" depois disso decidi me pesar (o que não fazia a um tempo) e lá estavam 80 redondos quilos... O maior peso da minha vida! Mesmo grávida eu não tinha pesado assim. Imaginem uma garota de 18 anos com 80kg querendo bancar a forte e segura. A essa altura da vida grupo no whats estava abandonado e o blog criando teias.
Então decidi mudar, mas desta vez eu não queria saber se estaria viva ou não pra contar história. O primeiro passo foi participar dos desafios semanais lá do grupo MAGRELAS que pedia 2,5kg a menos por semana, as primeiras semanas foram fáceis, mas depois de um tempo o emagrecimento foi ficando mais lento. Esta é minha tabela de metas atual:

METAS
(★) 80 - 16/05
(★) 77,5 - 22/05
(★) 75 - 29/05
(★) 72,5 - 16/07
→(♥) 70 - 13/08
(★) 67,5 - 25/09
(★) 65 - 29/10
(★) 62,5 - 24/11
→(♥) 60 - 10/12
() 57,5
→() 55
() 52,5
→() 50
() 49,5
→() 49

p.s.: as marcadas com as setas são as metas, as demais são submetas.

Como vocês podem ver depois de três semanas seguidas perdendo 2,5kg em cada uma (totalizando 7,5kg) criei um padrão (não propositalmente) de perder os 2,5kg a cada mês. Assim que pesei 71kg me descuidei e acabei voltando para 73 e uns quebrados, isso me atrasou bastante. Aos 66kg fiquei empacada só variando cerca de 400g. E claro, meu peso nunca fica certinho com meta, então pra atingir uma eu tinha que ter menos.

Por fim, posso dizer que devo tudo isso primeiramente as vocês magrelas e as do grupo no whats.
Devo um enorme porcentagem ao franol, sem dúvidas sem ele eu não teria conseguido. Se eu tiver alguma doença hoje, também devo a ele.
Outra grande parte do “mérito" vai para a água detox poderosa eliminadora de medidas e de celulites (sim elimina celulite!) que fez milagres com minhas pernas, falei desta água especial AQUI.
Devo também as dietas e lf's líquidos, meu períodos de jejum nunca ultrapassam 18 horas. Lf's líquidos e lf's de até 400/500 calorias são os melhores (tento ficar nas 300 sempre que possível). E Até porque os exercícios me ajudaram horrores também, aqui eles:









Mas uma coisa que não posso deixar de falar é sobre a mia, deixá-la me ajudou muito a emagrecer. Aprendi a ter controle sobre mim, sou superior a comida, que foi feita pra me nutrir não destruir. Ainda tenho compulsões, e sinto muita muita muita culpa, mas aí eu aguento. Sim, eu sinto cada segundo daquela terrível sensação de estar cheia, suja, impura! Isso me faz ter consciência do quanto comer me faz mal. É confuso, eu sei. Mas como o link do meu blog diz: dor passa culpa não. E culpa tem me mantido longe das compulsões (na medida do possível).

Aprendi a negar, a dizer não. Minto cada vez melhor. Voltei a ser uma boa ana.
Se não penso em miar mais? Todo santo dia. Penso em comprar toneladas de comida, e depois vomitar muito. Mas não o faço, porque tenho um objetivo, não vou me sabotar mais.

Foi isso o que fiz (continuo fazendo).

→ Como me sinto agora:

Gorda pra caralho! Não quero ser mal agradecida, mas não posso dizer que estou magra! Ainda tem tanta banha neste corpo que parece que ainda preciso perder mais 20! Porém preciso assumir que boas mudanças aconteceram.
Senti meu manequim 46 dar lugar a um 40 (já folgado) é incrível! Senti o corpo mais leve, a maior flexibilidade e agilidade.
Senti os braços do marido ficando grandes para a circunferência da minha cintura!
Blusas antigas tão folgadas que estão inutilizáveis, calcinhas caindo, soutiens com numerações menores.
O olhar das pessoas, impressionadas. Os elogios (pra vocês verem como gordas são consideradas feias) as perguntas sobre o que fiz, e meu generoso NADA de resposta.
Minha vida sexual bem, é... intensa!?!? hahaha
O calor e suor bem mais leves, minhas pernas já não se esfregam a ponto de assar ou gastar minhas calças. Rosto mais fino, menos papada.
O mundo da moda abrindo as portas! Tem roupa pro meu tamanho, tem atendimento decente pra mim!
Imagina quando eu tiver 49!
Todos esses sentimentos me movem, me empurram para frente. Por isso, mesmo que eu caia sempre levanto.
Porque o sentimento de magreza meninas, vicia. E eu quero ser uma garota magra.

→O que pretendo fazer agora:

Bom, quero restringir cada vez mais minha alimentação dos carboidratos, gorduras e conservantes. Quero utilizar as calorias de meus lf's com bons alimentos. Preciso beber mais, já que ando sentindo fortes dores na bexiga. Preciso também procurar um médico, já que cada vez que emagreço aparecem mais nódulos pelo meu corpo. Muita água detox e franol, lf's líquidos e exercícios sempre que possível.
Não sei se é bom ficar impondo datas para atingir metas mas gostaria de ter pelo menos 57 até meu aniversário (05 de janeiro) e 55 no aniversário da minha filha (12/02). Acho que são metas realizáveis.

Este ano quero fazer o cronograma capilar e a inversão capilar. Em janeiro farei um post sobre como manter os cabelos na cabeça com essas dietas rígidas. Planejo renovar meu guarda-roupa, comprar coisas que tenham mais a ver comigo, e pretendo publicar o post sobre construção de estilo também. Quero estudar mais (promessas de ano novo), quero ir pro colégio sempre bonita, com no mínimo batom na boca. Quero manter uma boa pele e unhas bonitas também. Farei tratamentos, e desta vez levarei a sério.
Porque no fim, uma coisa leva a outra. Você emagrece, se sente melhor, quer se vestir melhor, ter um cabelo legal, uma pele legal com make e unhas bonitas. Ser bonita. É o que eu sempre quis.

Agora o antes e depois:
as fotos do antes (calcinha e soutien) são do dia 16/05/15 e as do depois (blusa e short) são de ontem, 18/12/15





Ontem fui a uma formatura, usei um vestido preto (aquele que fiz um projeto em 2013) acho que quase ninguem aqui estava presente. Só agora pude usá-lo (passei dois dias só na melancia, água detox e franol pra isso),  me senti muito insegura com ele, mas graças a Senhora Psicótica e as meninas do grupo MAGRELAS me senti mais segura. Na festa eu comi apenas salada, porém quando cheguei ganhei chocolates do meu pai me comi um. Hoje comi mais dois e me senti muito mal, mas graças a senhora Psicótica novamente estou bem. Tomei 3 fraols e vou ficar apenas na melancia pelo resto do dia.


eu sendo gorda ontem

É isso magrelas ♥
perdoem-me pelos erros ortográficos e de coesão, pelo excesso de imagens e alguma aleatóriedade.

kisses


permaneçaforteeameserperfeita
permaneçaforteeameserperfeita
permaneçaforteeameserperfeita
permaneçaforteeameserperfeita
permaneçaforteeameserperfeita

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Estou tão repugnante
roliça roliça gorda
uma bola de gordura gigante
com tanta banha, mas tanta banha que deveria ser proibida de respirar
contaminando o ar
tudo que toco vira uma lama viscosa
algo parecido com esgoto
uma grande baleia
suada, grudenta
suja
cheia de bolhas de gordura enrijecidas sob a pele
não há banho que me limpe
porque a sujeira vem de dentro
eu poderia tomar desinfetante ou água sanitária, soda cáustica talvez
aí seria rosa e limpa por dentro
rosa e limpa por dentro
eu preciso desintoxicar, retirar os excessos
sou uma rolha de poço
entupida de sangue morto que não sai
não sai não sai não sai
porque meu Deus
não sai!
me sinto tão mal
uma dinossaura/hipopótama/leitoa
cheia de depressões
torta
imperfeita
vaca gorda
nada cabe
porque tenho que ser tão enorme?


sábado, 5 de dezembro de 2015

★ Hello magrelas ★




É, dezembro chegou. Óh a animação!



Sumi né meninas, inclusive dos blogs de vocês, mas vou passar em todos eu prometo. Coisas ruins aconteceram, no dia 27 fui acometida por uma dor dente do tipo insuportável, que nossa! Gosto nem de lembrar. Meu dente infeccionou e tive que tomar antibióticos e antiinflamatórios. Conclusão: fiquei sem franol, fiquei sem exercícios e sem comer é claro. Sem comer nos primeiros dias, depois tive sérias compulsões. No fim, eu vou ter que falar mesmo... engordei.
800 redondas gramas.
Tenho 62,1kg de banha neste corpo mole.

Desastroso!

Ainda assim minhas calças tamanho 40 (orca) estão caindo, meu short (40) também se encontra bem folgado. Isto é bom, são sinais de que já posso adquirir um 38 para comprimir minha generosa camada de tecido adiposo.

Magrelas, lembram daquela minha “amiga" que sempre me detona, então, outro dia estávamos eu, ela e um gurí fazendo trabalho juntos (a umas duas semanas eu acho) e ele comentou algo como:

 — Vixe! Dá pra ver o casco da cabeça da K* todinho! Cada rombo! Tu vai ficar careca.

A questão é que a pobre moça tem problemas no couro cabeludo, e morre de medo de ter calvície. Então pela primeira vez na minha vida vi ela abaixar a cabeça e sofrer um pouco do próprio veneno. Ela ficou inanimada, sem reação. Exatamente como fico.

Senti um leve prazer se espalhando como um momento de êxtase!



Não sou boa pessoa, nunca fui.
Me senti vingada hahahaha

Ontem (sexta, 04) aconteceu algo um tanto incomum. Recebi muitos olhares no colégio, cheguei a me sentir a vontade, acreditam?
Esta mesma amiga ao me ver disse que eu parecia sexy, estava mais bonita. Saiu perguntando a todos na sala “a Any não está diferente? " ouvi alguns “sim, mais bonita" ouvi uns “sim, o que você fez?" e ouvi um “tá mesmo, quando vi ela chegando fiquei pensando umas coisas" o.O hahaha sim isto partiu de um boy idiota que estuda comigo. Até a diretora estava incrédula quando me viu.
Mas Any, o que você fez pra eles te notarem assim?
Juro pra vocês, eu apenas lavei as madeixas, passei um batom e um rímel, pus uma calça jeans e uma camiseta da escola de tamanho menor que a convencional. Calcei uma sapatilha e joguei um cardigan vermelho por cima.
Teve poder :D
Sinceramente acho que com o uniforme ninguém conseguia ter noção do meu corpo, até porque nunca troquei o tamanho, minha calça que era skinny virou pantalona!
De qualquer forma isso mexeu com meu ego, me fez ter vontade de ir adiante. Me fez lembrar de todo sofrimento que passei e de como valeu a pena. Me deu inspiração para pensar em como posso voltar bonita no próximo ano. Até porque minha amiga me disse em alto e bom tom: quero te ver mais magra ainda depois dessas férias.
Digo: mesmo que ela não quisesse veria. Preciso usar todo este tempo livre ao meu favor! Planejar planejar planejar! Tudo começa aí, com uma caneta e papel posso começar a concretização de meus sonhos.

Espero não regredir mais, recuperar peso é muito ruim. É pegar todo o seu esforço e jogar jogar no lixo. 


Farei listas, listas de compras e realizações. Talvez mostre a vocês algumas delas. Sou muito boba...
Mas se está escrito, parece mais forte.


Mudando de assunto, uma coisa que tem entretido bastante é ler blogs feministas que abordam o tema gordofobia. Ao contrário das demais leitoras que buscam se sentir compreendidas e representadas, eu os leio porque eles me dão um foco incrível! Todos os relatos de preconceito e textos sobre aceitação me passam a idéia de “eu não posso ser assim” tenho que ser magra para me livrar dessas hipóteses horríveis! Ainda me indentifico muito com o que escrevem, isso é um sinal de que ainda tenho muitos quilos a perder. O texto escolhido foi publicado no blog IMPRENSA FEMINISTA (por Juliana Rocha e Janaína Marques) e o que estiver escrito em vermelho é observação pessoal minha.

“12 COISAS QUE NÓS MULHERES
EVITAMOS FAZER SÓ POR
SERMOS GORDAS."

Ser gorda é muitas vezes viver segregada. É aprender as técnicas da autochacota, antes que alguém tome a atitude de tirar sarro. Ou então, é ignorar isso e se aceitar, tendo sempre uma resposta pronta para cada gordofobia sofrida. A aceitação e o amor-próprio são difíceis. É uma luta diária, muitas vezes é um passo para frente e dois para trás, porque é muita, muita violência. Estranhos param a gorda na rua. Gritam. A família
quer saber por que ela ainda não emagreceu, e sabe os quilos que ela ganhou melhor do que ela mesma. Cada encontro é a renovação do “você engordou” ou do “você emagreceu”. Mas veja, o emagrecimento nunca será suficiente. Muita gente diz o quanto o rosto da gorda é bonito, falando isso com uma pena imaginando como ela seria liiiiiiiiiiiiiinda… se fosse magra.

Além de cuidarem da estética da gorda, associam isso com uma possível solidão: “Baranga, desse jeito vai ficar sozinha, não vai arrumar marido”.
Como se casar fosse algo primordial e central na vida de alguém. Ninguém nunca pergunta pra gorda se ela está feliz, se casar é seu objetivo. Só
querem moldá-la com o objetivo de servir alguém. Mas isso me deixa p*ta, que merda! Por que todos acham que vivemos para casar? Homens estão aí para nos completar, não para nós servi-los. É como dizer “não emagrece porque homem gosta de ter onde pegar" e se eu não quiser um homem? Avah!

[...]

→1. Ir à praia ou ao clube:

Na praia, temos que mostrar tudo aquilo que mais nos aterroriza e que todos sabem que tem embaixo das nossas roupas. Aliás, roupas escolhidas para esconder nosso corpo estrategicamente. Não tem truque na praia. Os gurus da moda estão sempre dando dicas de como esconder barriga e alongar o corpo. Não tem como fazer isso com um biquini ou maiô. Por
isso meses antes do verão começam as matérias em toda mídia sobre emagrecimento. Como não bastassem as gorduras sobrando, ainda temos que nos preocupar com celulite e estria. E o pior, todos os olhares de reprovação. Tudo que falaram o ano inteiro vai estar ali exposto e exibido, e a gente deveria ter vergonha de se exibir. Por isso é melhor deixar a praia para os magros ou para os homens. E aqui deixamos uma pergunta: será que essa galera pensa que vamos tirar a roupa e de repente vai surgir uma Paris Hilton de biquíni? Não é meio óbvio que tirando a roupa continuaremos gordas?


→2. Dar um fora ou rejeitar:

O carinha dá aquela cantada horrível na rua. Você mostra o dedo e xinga? A gorda, meu bem, terá que agradecer o assédio. Se xingar, será agredida. Vão gritar o quanto ela é gorda, e usar um “baleia” ou coisas do tipo. Na balada se o cara chegar e a gente rejeitar, a mesma coisa. E ele ainda vai dizer que estava bêbado. A gorda tem que aceitar qualquer coisa. Sem contar que, gorda é moeda de aposta idiotas!. Quem vai pegar a gorda? O “guerreiro”.


→3. Usar roupa apertada ou da moda:

“Toma vergonha na cara, gordinha, esconde suas banhas. Ninguém é obrigado a ver suas coxas gigantes nessa legging colorida e suas banhas
saltando nas roupas apertadas. Contente-se com as batas”. É isso que a gente ouve ao se vestir ou ao comprar roupa. Quando não nos chamam de “provolone amarrado”.


→4. Entrar em toda loja do shopping:

Todo mundo passeia e entra nas lojas só para dar uma olhada, certo? A gente não. Conhecemos os olhares de reprovação da atendente e até mesmo já ouvimos o “não tem roupa do seu tamanho” ou “só fazemos até numeração tal”. Por isso muitas vezes só entramos em lojas especializadas ou de departamento onde pegamos a roupa que quisermos sem a reprovação ou opinião da atendente. Por que atendente de loja acha que pode saber melhor do que a cliente qual é a roupa que cabe ou que fica melhor no corpo dela?! E com uma de nós já aconteceu o seguinte: ao entrar na loja a atendente perguntou o peso. Não sabíamos que existe roupa “por quilo”. É realmente uma situação bem constrangedora, pra mim pelo menos é uma das piores partes de ser gorda.


→5. Ir ao médico:

Quando a gente tem um problema, sei lá, no couro cabeludo, o médico vai dizer que precisamos emagrecer. Muitas vezes ele vai nos tratar com
um desprezo, um ar de “nojinho”. Outras vezes ele vai listar todas as doenças que temos ou teremos por causa do sobrepeso. Ele vai dizer que ia passar um remédio mas não vai mais, porque estamos gordas. Ele vai nos encaminhar para um endocrinologista sem a gente pedir, ou passar emagrecedores e antidepressivos. E no final ele vai deixar bem claro que nada adianta se a gente não emagrecer. O que a gente entende é “só volte aqui ou em outro médico quando você emagrecer.”


→6. Ir à academia de ginástica:

A gente não sabe mais se não vai à academia porque não gosta ou se é por medo de ser hostilizada. Academia não é um lugar para qualquer um fazer exercícios regularmente. É um lugar pra ficar magro ou forte (ou os dois) e sem celulite, onde todos já são magros e fortes e sem celulite! Nós não somos assim! Os próprios instrutores fazem chacota do corpo gordo durante a aula: “Vamos queimar essa banha!”, “Dá tchau pra ‘baranga’”, etc.  Eu meio que desisti da academia até segunda ordem, além de tudo isso é perceptível como os instrutores te julgam e riem de você junto com as meninas bonitas da academia. E quando você não tem resultados? Ele te trata como “tempo perdido".


→7. Comer na rua:

Por que todo mundo acha que pode meter o bedelho até no que a gente come? Todo mundo, até mesmo estranhos. Olhares de reprovação quando comemos em publico rolam livres. E eles querem dizer “por isso que você é gorda” ou “você deveria se envergonhar de comer porcaria”. Se você é magro claro que ninguém se importa com a porcaria que você come. Pena que não dá pra ver gordura visceral na rua, caso contrário
sairíamos condenando um monte de magro fitness saudável que enche o “rabo” de gordura. Afinal, “estamos apenas preocupada com a sua saúde”.


→8. Ir a um churrasco/festa na piscina:

Pelos mesmos motivos que não vamos à praia. Maiô e biquíni. Quando vamos ficamos vestidas pelo menos com uma saída de praia. Aí as pessoas questionam por que não entramos na piscina. Mas essas pessoas sabem por quê. Elas estão apenas sendo sádicas.


→9. Transar de luz acesa:

Por motivos óbvios, queremos esconder o corpo. Nosso corpo não é desejável. A gente realmente não entende o porquê daquele pau duro ali, só pode ser porque a luz está apagada. Como já disse Ana Paula Barbi (Polli), ninguém fica de pau duro de maneirice, de caridade. Se não dá tesão o pau não sobe, simples assim kkkkkk. Sentir desejo por uma mulher gorda é tão absurdo que os caras praticam o auto-engano de “eu fiz caridade”. Sim, ela tem razão.


→10. Almoço/confraternização:

Se ficarmos um tempo sem ver a família, ou amigos e derrepente fazem algum encontro, relutamos a ir. Porque não importa se a gente mudou de emprego, fez mestrado, se a outra teve filho, o outro se separou e mais não sei quem mudou de país. Vamos ter que explicar esses quilos a mais e o assunto e olhares de reprovação vão ser para nosso corpo, mesmo que alguém tenha sido preso e esteja lá na condicional!
Não sei o que é pior, se é minha família ou a do meu marido. 
 É a do meu marido com certeza!!!


→11. Sair sem se arrumar:

Todo mundo às vezes tem preguiça de se arrumar para sair. Aí vai na padaria, no mercado, na faculdade ou apenas dar uma volta de qualquer jeito, com o cabelo desgrenhado, sem maquiagem, com qualquer roupa. Mas a gente já é relaxada o suficiente por ser gorda, então não tem esse direito, ok? Então se arrume, ponha maquiagem, uma boa roupinha e deixe de relaxo.


12. Sair confortavelmente:

Seja um pacote de café tipo exportação (embalado à vácuo). Não importa se está te machucando, se está quente, se está coçando, se está te faltando o ar: use a cinta elástica. A cinta elástica numa pessoa gorda não vai deixá-la magra, é apenas um alívio psicológico e visual para quem julga. “Pelo menos ela tá se esforçando para ser vaidosa”, “agora não somos obrigados a ver aquela banha mole caindo pra fora da roupa, tá tudo empaçocado dentro da cinta”. Ou a reação é contrária, né? Porque o importante é hostilizar: “Do que adianta essa cinta elástica? Continua baranga!”.


Por fim, não adianta quantas dietas da sopa de repolho, da proteína, do ovo, da lua, da água, da luz você fizer adianta sim, a função das pessoas é de julgar: que você não emagreceu porque é incapaz, que
você saiu da dieta porque é fraca, que você se odeia porque “não se cuida”, que “quero ver um homem querer casar com isso”. Nada melhor que acompanhar sem perder nenhum capítulo a vida do gordo, né?

______x___________________x_______

Como é difícil ser gordo! Sei bem porque sou uma obesa de IMC saudável :\ 
Mas no fim de tudo levo tudo isso como uma fat inspiration, não quero ser maior do que já sou, quero ser linda! 
Any quer dizer que toda gorda é feia? Isso é muito relativo, muito pessoal. Afinal a moçada da aceitação pode escrever rios de bons textos, as vezes até convincentes, mas nunca mudaram a opinião dos outros, nem podem tirar o direito de livre expressão sobre o assunto. O fato é que eu não acredito nessa satisfação toda que elas tentam passar em alguns textos. Como podem se sentir plenas com tanta coisa... ruim? Claro que não podemos ser escravas das opniões alheias, mas sempre causaram algum impacto em nós. Em mim principalmente.

Espero não ter ofendido ninguém.


E para fechar com chave de ouro, a linda Sahara ♥





♥ Besos ♥


quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

gaiola





Estou presa. De mãos atadas. Numa gaiola de espinhos.

Ana fez isso comigo.

Todas as noites peço perdão a Deus por ser uma garota má. Por deixar a vaidade me dominar a ponto de me destruir. Mas ao mesmo tempo peço que me dê forças para continuar. Que me permita viver por mais algum tempo.

Porque sinto que vou morrer daqui a pouco. Mas não será uma morte repentina, na verdade já começou. O processo está em andamento.

É como tecer os fios da corda que você vai se enfocar.

Prevejo muito sofrimento. Dor física intensa, sentir eu me perdendo de mim. A dormência que sinto em meus pulsos passará a correr pelo corpo inteiro. Tudo quente com intensos calafrios.

Mas essa não é nem de longe a pior parte...

Quando minha família descobrir a minha doença qual? irão se culpar, sofrer, querer voltar no tempo e fazer direito. Vão sentir que estou indo. Frustração da falha. Meus pais deviam ter tido outros filhos.

Meu marido cairá em cacos, minha filha sentirá um eterno vazio. Me terá presente apenas por fotos. Mas eles terão um ao outro. O tempo cura a dor. Ele terá uma nova esposa, e minha princesa ganhará irmãos.

Isso tudo me faz acreditar no determinismo.

Que era meu destino ter minha filha com 14 anos justamente porque eu não chegaria aos 22.

Depois de pensar e repensar. Refletir. Ao invés de procurar a cura, me encontro decidida a continuar. Não posso parar, não antes de secar mais 10kg. Mesmo consciente da merda que estou fazendo, adotei a gaiola como um lar, ana virou minha referência materna. 

Um amor doentio.

É a minha obsessão.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

TA's

Olá magrelas!




Como prometido AQUI trouxe uma pesquisa (resumida) falando sobre TAs. Tem uns bem curiosos, até estranhos. Todos são tristes, afinal são doenças :/
Depois de ler tudo que eu reescrevi, tive um pouco de medo, me encaixo em muita coisa aí, e realmente temo por minha filha, pelo que posso provocar na vida dela. Espero conseguir lidar com tudo isso.

O que é Transtorno Alimentar?

Disfunção alimentar, ou transtorno alimentar (TA), é um termo amplo usado para designar qualquer padrão de comportamentos alimentares que causam severos prejuízos à saúde de um indivíduo. São considerados como patologias e descritos detalhadamente pela OMS. Geralmente apresentam as suas primeiras manifestações na infância e na adolescência. Aproximadamente 90% dos casos são de mulheres jovens, porém recentemente está havendo um aumento no número de transtornos em homens e em adultos de ambos os sexos.

Assim como todos outros transtornos, envolve múltiplos fatores. Dentre os fatores responsáveis, destacam-se:

•Histórico de transtorno alimentar na família.
•Histórico de transtornos de humor na família (como depressão ou transtorno bipolar).
•Famílias autoritárias (anorexia) ou negligentes (bulimia).
•Contexto sociocultural caracterizado pela extrema valorização do corpo magro.
•Disfunções no metabolismo da serotonina e noradrenalina.
•Experiência sexual traumática.
•Certos traços de personalidade (Baixa autoestima, Introversão, perfeccionismo [Anorexia], impulsividade [Bulimia], instabilidade afetiva, evitativo, ansioso).
•Fazer alguma dieta.

É frequente a comorbidade de transtornos alimentares (TAs) com transtornos de humor, transtornos de ansiedade e dependência química. Sendo assim esses transtornos são considerados fatores de risco para anorexia, bulimia, hipergafia e vigorexia. Transtornos psiquiátricos de membros da família de primeiro grau (geralmente a figura materna) estão entre os principais fatores correlacionados com os TAs. Parentes de primeiro grau de pessoas com anorexia tem 11 vezes mais chance de desenvolverem esse transtorno que o normal enquanto parentes de bulímicos tem 4 vezes mais chance. 
Mães com anorexia tem 75%-80% de chance de transferirem a anorexia para um ou mais filhos e mães com bulimia tem 45% a 55%. Acredita-se que existe um predomínio dos fatores ambientais sobre os genéticos nessa transferência pois existe uma correlação positiva entre a convivência com a mãe e a transmissão dos transtornos e a terapia comportamental é mais eficaz que a medicamentos nesses transtornos.


Vamos conhecer os TAs:

Anorexia:
Anoréxicos atingem uma grande perda de massa,
de modo que o seu Índice de Massa Corporal se reduza a valores inferiores a 17,5 kg/m². A perda de peso pode ser efetivada por estrita restrição
dietética, em adição a exercícios físicos excessivos; outros, em conjunção a esses métodos, também podem abusar de técnicas purgativas (provocar-se vômitos, abusar de laxantes ou diuréticos , etc.) que acreditam resultar em perda das calorias consumidas, sem necessariamente, como no caso da bulimia, ter antes havido períodos de comilança desenfreada.

Bulimia:
Por definição, bulímicos passam por episódios (pelo menos duas vezes por semana) de comilança desenfreada que resultam num consumo de calorias muito superior ao de uma pessoa normal no mesmo período. Seguidos desses episódios, são por eles empregados vários hábitos que visam compensar o ganho calórico, entre os quais os mais usados são as técnicas purgativas; em uma pequena minoria dos casos, porém, bulímicos limitam-se a se exercitar rigorosamente e/ou jejuar por longos períodos,
sem provocar a purgação da comida. A bulimia se distingue do tipo purgativo da anorexia, por não haver, no caso do primeiro transtorno, o emagrecimento extremo visto no segundo.

Hipergafia:
Segundo a OMS, Hipergafia é quando um evento traumático resulta em um aumento no consumo de alimentos e consequentemente um rápido
aumento de peso, geralmente resultando em obesidade piorando a autoestima e autoconfiança do indivíduo.

Ortorexia:
É a obsessão por alimentos saudáveis e nutritivos excluindo uma grande quantidade de alimentos, principalmente os mais industrializados, dessa dieta. Quase sempre ocorre em países desenvolvidos.

Pica:
É o impulso de comer objetos não nutritivos nem cuja ingestão é aceita socialmente. Mais comum em crianças e mulheres grávidas. Seu nome é baseado no nome latim de um corvo famoso por comer de tudo .

Síndrome de Prader-Willi:
Afeta crianças independentemente do sexo, raça ou condição social. De natureza genética, mais frequente em quem possui baixa estatura e peso,
geralmente envolve retardo mental ou transtornos de aprendizagem e desenvolvimento sexual incompleto se trata de uma necessidade involuntária de comer constantemente, o que quase resulta em outros problemas de saúde como obesidade e problemas cardíacos. Leva a morte caso não tratado. Antidepressivos ISRS tem se mostrado eficaz restringindo os danos, porém essa síndrome ainda não tem cura.

Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP):
Conhecido em inglês por binge eating disorder, é uma classificação relativamente recente para a compulsão por comer, característica da bulimia que não envolve o uso de métodos extremos de perda de peso como vômito, anfetaminas e laxantes. 30% dos obesos possuem esse transtorno e sua prevalência na população gira em torno de 2%.

Transtorn Obsessivo Compulsivo (TOC) por alimentos:
Semelhante aos outros transtornos obsessivos compulsivos, envolve pensamentos incontroláveis, repetitivos e persistentes, que só são aliviados enquanto o indivíduo se alimenta. Enquanto não se alimentar seguindo suas crenças o indivíduo sofre de uma ansiedade crescente e pensamentos constantes até ceder e é imediatamente reforçado/reforço positivamente (com o prazer de comer) e
negativamente (com o alívio da ansiedade) enquanto estiver comendo. Mesmo que esteja ciente de que seus pensamentos são prejudiciais a si mesmo, irrealísticos e inapropriados o indivíduo não consegue controlá-los. Ao contrário dos outros transtornos alimentares os antidepressivos são bastante eficazes no tratamento do TOC.

Transtorno de Ruminação:
Mais frequente em crianças pequenas é caracterizado pela regurgitação ou remastigação repetida que não podem ser explicados por nenhuma condição médica. Podem resultar em desnutrição, perda de peso, alterações do equilíbrio hidroeletrolítico, desidratação e até morte.

Vigorexia:
É a obsessão por um corpo musculoso e atraente, quase sempre em homens. Envolve um treinamento muscular obsessivo e alimentação voltada para a manutenção desse corpo com uso frequente de anabolizantes. É classificada junto com os transtornos alimentares por envolver um disformismo corporal reforçado pelo culto a imagem, o desenvolvimento de uma alimentação restrita e hábitos patológicos com causas,
consequências e tratamento semelhantes ao da anorexia e bulimia.

Outros transtornos não identificados:
Cerca de um terço dos diagnósticos feitos usando
o DSM IV são classificados como não especificados por não possuírem um ou mais critérios essenciais para a classificação em outro
transtorno. Por volta da metade desses transtornos parciais se tornam transtornos completos caso não sejam tratados adequadamente preventivamente.

Sintomas e outros sinais de alerta:

•Emagrecimentos
•Cuidado excessivos com a alimentação
•Desculpas para não comer ou comer sozinha
•Isolamento, alterações de humor e agressividade
•Excesso de exercício físico
•Vômitos e uso de laxantes
•Atitude demasiado crítica quanto à sua imagem
•Perda de apetite

É meio didático, achei interessante. Fico imaginando quantos TAs podem existir por aí, e se o homem será capaz de catalogar todos, até porque já existe a categoria dos “não identificados". Enfim.

Prometo que amanhã passo no blog de tooodas as borboletas! Se tiver alguém que não sigo ainda, por favor me diga que seguirei com prazer!

Se cuidem magrelas!