terça-feira, 7 de junho de 2016

Apenas não olhe a garota atrás da cortina.


Coroas de gordura pus-colorida sufocam minhas coxas e braços. Ficar deitada não é mais como antes. Eu me fundia à cama, eu fazia parte do colchão, sem fazer volume ou afundar. Hoje sou algo parecido com o Everest em meio aos lençóis, e a barriga é o pico.
Eu quero estudar, quero me concentrar e ter um futuro brilhante, eu quero ser magra e agradável, eu quero ser agradável alguém entende?
Mas tudo que faço é procrastinar os estudos, a dieta, a vida. Tudo, tudo fica para depois. Eu tenho me esforçado. Há quem não concorde, tudo bem. Eu fico atordoada com tantos xingamentos, fico confusa com as pessoas e com como elas pensam. Como podem ser tão cegas? O espelho grita: gordura, gordura, gordura. Mais uma vez o portal se abre e posso sentir o frio chegando, ela vem com seu hálito gélido de menta e gengibre que me faz fechar os olhos de tanto pânico. Até a mia se afasta. Mia tem ficado ao meu lado durantes as últimas semanas. Ela é magra, mas sem tantos ossos sobressalentes. Tem grandes cachos dourados caídos em cascata até o meio das costas. Ela é quente, quente como o vomito morno que jogo para fora depois das compulsões. Quente como o suor que me envolve após longos e dolorosos minutos seguidos em meio ao humilhante hábito de usar laxantes. Mia é como o verão, as vezes castiga, mas é possível conviver. Afastando-se de mim Mia leva consigo seu calor, e chega o frio cortante. 
Ana vem de dentes cerrados e punhos em pedra. Seus olhos queimam de ódio intenso puro. Peço a Deus proteção - ainda que não mereça - porque sei o quão doloroso será. Ana aponta e ressalta cada defeito meu, me afaga e me açoita. A cada “estou aqui para te ajudar" um “sua porca gorda". O mais doloroso é saber que fui eu quem fez isso com meu corpo.
Eu a observo, Ana sim é magra. Ossos brilham como diamantes refletindo a luz do sol. Seus cabelos caem num liso reto até os quadris como um manto escuro, eles a ajudam a se proteger do próprio frio. Ao contrário da Mia, Ana é fria como o inverno dos pólos. Porém me passa uma deliciosa sensação de pureza, quando estou ao seu lado sinto-me sendo purificada aos poucos, tudo é limpo e intenso.
Temo em perdê-la, porque não consigo sequer imaginar-me vivendo como uma criatura dos contos de terror infantis. Temo voltar a pegar-me em frente à geladeira catando coisas para enfiar goela abaixo e depois me  arrepender.

Tinha planejado vir aqui e escrever sobre como ocorreram meus últimos eventos de compulsão ou contar detalhadamente das vezes que passei mal, porém tudo que consegui escrever foi o que ocorreu comigo em alguma dimensão que não consigo explicar. É como flashes que acontecem em segundos, como se eu estivesse sonhando acordada e o tempo parasse.
Eu sinto uma urgência tão desgraçada em voltar ao foco, em sentir a gostosa sensação de fome.
Eu quero estar faminta. Quero estar vazia e me expôr a comida nojenta. Quero provar a mim mesma que tenho força suficiente para ser o que eu quiser.
Afinal, só é impossível se assim você pensar.
Como recompensa às dores que virão, ossos saltarão e eu verei meu peso despencar.

Imagino o quão perfeito será ★


14 comentários:

  1. Estou ficando velha e cega, tive de aumentar o zoom em 200% para conseguir ler seu maravilhoso texto, e olha, valeu a pena.
    Para quem está de fora, é muito sedutor ler sobre o nosso universo paralelo, mas na verdade, aqui não existem Alices, fadas, borboletas ou unicórnios, é só o inferno descrito com palavras gentis.

    Adorei seu texto, escreva mais!


    Besos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem atraente. Quando entramos mais parece o inferno!

      Obrigada por não me deixar minhas Anita Perfeita ♥

      Excluir
  2. O que você fez com o blog? Está lindo! Adoro Alice no país das maravilhas, adorei o fundo. Você já leu esse livro, Através do Espelho?

    Sua escrita é encantadora. Você tem um dom único de me fazer sentir exatamente como narrado em seus escritos. Parabéns por esse texto!
    Espero que seja mais presente no blog, você sabe o quanto aprecio seus posts.
    Abraços querida <3

    ResponderExcluir
  3. Ola Any ♥
    Amor aumenta um pouco a visibilidade, ficou lindo, porém eu não enxerguei nada...

    Tá lindo o texto, e ao mesmo triste... Vamos em fim, achar o mundo difeerente talvez...



    Não suma!!

    ResponderExcluir
  4. Que post maravilhoso, me sinto assim também. A Ana tá sempre aqui comigo, me dizendo que consigo, mas nunca esquecebdo de lembrar o quanto eu sou inútil, o quanto eu fujo dos meus objetivos por serem difíceis demais. Para você consegui voltar, você só precisa de você mesma, sei que você consegue. Bjs.

    ResponderExcluir
  5. Muito profundo e define todas nós.. Não posso dizer mais do que isso.. se cuide! 💓

    ResponderExcluir
  6. Muito profundo e define todas nós.. Não posso dizer mais do que isso.. se cuide! 💓

    ResponderExcluir
  7. Achei lindo seu texto, define o que passamos, cuidado com a mia.
    beijos

    ResponderExcluir
  8. Me identifiquei do início ao fim. Precisava desse texto. Obrigada por existir. ❤

    ResponderExcluir
  9. any-chan que lindo, quente e frio,triste e tenebroso o seu texto, assim como nossas vidas, que vivemos dentro deste espelho tenebroso que nos açoita, espero q vc alcançe a perfeição e não suma, estamos aqui, msmo q omissas, enfrentamos os mesmo demonios, as vezes uns diferentes, mas juntas com todas poderemos vence-los <3

    ResponderExcluir