segunda-feira, 18 de abril de 2016

Oi



Acho que eu deveria pedir perdão a vocês. Pelo abandono e desinteresse de minha parte em ralação ao blogger. Me perdoem. Eu também devo agradecer, porque NUNCA me abandonam, muito obrigada de coração.

Tive uma crise - nervosa ou depressiva, sei lá - como já disse por aqui, não costumo ficar categorizando e dando nome aos meus “problemas psicológicos" (entre aspas porque sempre penso que não são meus problemas, sou Eu). Desta vez eu achei que iria morrer, chorei até quase desmaiar. Senti dores na cabeça, principalmente no olho e ouvido direito. Tudo começou quando eu nasci há algumas semanas, estou esgotada. O motivo? Aquele clichê de terceiro ano do Ensino Médio, o mal-bem-dito ENEM. Eu quero passar, e passar esse ano, SISU ou PROUNI, faculdade de direito. Sinto que não posso mais perder tempo, mas sinto mais ainda que não vou conseguir. Analisando aquilo tudo (a prova) não tenho capacidade. Eu sei que devia ser mais otimista, mas não consigo.
Outra coisa que vem me afligindo: o próprio colégio. Boas notas, melhor rendimento. É que faço Ensino Técnico em administração, e eu não to suportando mais as matérias do curso, salvo direito administrativo. Mais um stress na minha vida, O CURSO na MICROLINS, já vai fazer dois anos e meio e não término a droga deste curso - é um pacote de cursos (informática, rotinas administrativas, assistente contábil, agente de vendas, operador de caixa, palestras profissionalizantes e evolução profissional), viram como é entediante - parece que não termina nunca!!! As pessoas me cobrando e perguntando se ainda estudo, se não vou trabalhar...
Bom, essa semana brotou em mim um ódio MORTAL da estagiária que está dando aulas na minha turma, uma garota com cara (e corpo e cabelo também) de modelo da Brandy Melville. Magrinha, perfeita thinspo, loira natural, pele de porcelana, cabelo até a cintura liso que dói, mas é um liso natural, usa delineador tipo gatinho e se veste como roqueira, o que contrasta com a delicadeza dela, tem traços de uma princesa, e simplesmente queimou o resto de auto estima que um dia eu já tive.
Para completar, vi que meu marido pesquisou “garigata" no You Tube, o que não teria me incomodado normalmente, porque não sou dessas. Mas inexplicavelmente me afetou, então parece que tudo que eu vinha acumulando explodiu. 
Meu marido, coitado passou a noite me puxando do buraco. Me pediu perdão inúmeras vezes e eu tentei explicar que não era só aquilo, e que na verdade eu não queria me importar com algo tão idiota. Eu vivo babando o Dean, entre outros atores que acho extremamente gostosos. Acreditem, olhar não arranca pedaço.
Mas ainda assim ele me prometeu não fazer mais isso - ainda que eu não tenha pedido. Entre lágrimas e soluços, acabei abrindo meu coração, falei dos meus problemas com auto estima, como me acho feia. Claro que não falei nada sobre ana ou mia, mas sei que ele sente que há algo de muito errado comigo. Me falou que não é natural que eu fique me comparando tanto com outras garotas, disse que eu sou linda e toda essa balela que eu não costumo acreditar. Falou que os amigos dele nem acreditam que sou mulher dele e que morre de ciúmes de mim. 
No domingo senti que ele passou o dia me vigiando, sendo cuidadoso comigo. Eu fico feliz pelo tratamento de princesa que venho recebendo, mas não quero ser a pobre coitada.
Fora isso, sinto pânico de ficar sozinha em casa, um medo ridículo e uma tristeza que inunda meu coração. Me sinto imprestável.

Nisso tudo, o que mais me incomoda é que todo o problema parte de mim, e de como eu lido com o mundo a minha volta. E como cada vez mais as coisas naturais, como tirar uma nota baixa numa prova ou ver uma garota bonita, me machucam, como se Deus tivesse sido injusto por ter me feito do jeito que sou, o que não é verdade.
Só sei que eu estava quase gritando “por que eu sou tão feia meu Deus, por quê?" bem a la Mia Colucci, entretanto não sou bonita chorando - nem sorrindo, só para constar.



Me perdoem o excesso de reclamações, gostaria de ser mais agradável. Não estou conseguindo comentar nos blogs, porque como vêem não escrevo nada que preste.

Tudo que eu queria agora era um abraço.

MENTIRA!

Tudo que eu queria agora era ser simplesmente perfeita.



domingo, 3 de abril de 2016

G.O.R.D.A

Ai, magrelas...

To sentindo um vazio terrível na alma. Isso geralmente ocorre quando estou de estômago cheio. No momento não estou cheia, na verdade estou mantendo um jejum (não conto as horas, mas não costumam ser longos), e assim estou justamente para tentar livar-me desta sensação terrível. Estou assistindo Rihanna, o que me faz lembrar da Senhora Psicótica. Já assisti RBD também, tendo em vista esfregar o foco na minha cara. Olha Ela, olha essa cintura, olha como tudo se encaixa, olha como é mais leve que todas as outras, uma princesa, a mais bonita. E ela sabe disso.



Eu preciso disso.
E não é possível que eu continue comendo, meu Deus onde eu estava com a cabeça?!?!
Tive uma crise compulsiva. Sou assim, passo semanas seguindo o plano, fazendo até melhor. Mas quando caio, eu fico lá, afundada, lama até o pescoço.
Passei por uns dois dias quebrando o plano, depois por mais dois dias eu me entreguei completamente a droga da compulsão, desde então a Ana vem tentando me puxar de volta e me colocar no cantinho do controle. O que ninguém sabe - ou não quer ver - é que mia fica sussurrando no meu ouvido, e isso está me enlouquecendo! Eu NÃO permito que ela sequer me toque porque eu jurei pela minha vida que nunca mais vou provocar o vômito! Eu não quero engordar nãoqueronãoqueronãoqueronãoquero. Minha relação com a comida está muito tensa, preciso restabelecer nossa relação saudável, ou no mínimo pacífica, que é comer para se manter de pé ou com cabelo na cabeça. Assim não dou chance do meu organismo guloso absorver tudo demais e me deixar grande como uma geladeira. Geladeiras são grandes e largas, ocupam espaço demais e estão sempre cheias de comida e expondo suas curvas arredondadas.
Eu não quero ser uma geladeira.

Nós últimos dias têm acontecido situações que me deixaram feliz e também muito muito triste. É incrível como a tristeza prevalece sobre a felicidade.
De bom o que tem me ocorrido é algo bem, digamos, feio. Mas as vezes eu costumo ser bem diabólica. Tenho uma “amiga" as meninas que me acompanham a um tempo sabem, aquela que gosta de pisar nos meus calos. Ela tem engordado bastante de 2013 para cá. Porém como o tipo de corpo dela é pêra, acumula a maioria na bunda então ela vai se achando cada vez mais gostosa. Só que tudo tem limite certo. Os meninos estão começando a comentar sobre o corpo dela de maneira mais crítica, tipo: “daqui a pouco a cadeira quebra" ou “eita a K. ocupa a mesa todinha" quando ela sentou na carteira. Comentaram dos braços dela também, hahaha isso me faz feliz sério! Braços são meu ponto fraco. Então outro dia estava conversando com um colega, então perguntei se ele me considerava uma pessoa magra (olha a Any carente tentando arrancar um elogio hahaha) então ele disse, “é claro que sim", eu falei “então antes eu era bem gorda né", aí ele disse “fofinha" eu respondi “ainda quero emagrecer muito, perder braço, barriga..." ele respondeu levantando o olhar para a minha colega (que estava sentada na nossa frente, só que virada de lado) “essa aí, só crescendo" e ela ouviu - se não tivesse ouvido eu daria um jeito que ela ouvisse - e ficou puta da vida, nossa ela quase chorou. Gente foi muito engraçado, ela ficou realmente magoada. Então lembrei da simples frase “aqui se faz, aqui se paga".
Em compensação, para minha infelicidade, quando fui entregar um livro na biblioteca, a senhora que foi procurar minha ficha super se assustou com minha antiga foto, onde eu estava loura e maquiada, e me perguntou se ali na foto eu era mais magra. Eu não era. Mas disse que sim, sorrindo sem graça. Como pessoas são estúpidas! Ela ainda mostrou minha foto para um garoto do meu colégio e perguntou : “ela não era bonita?", ele respondeu “era sim" num tom super arrastado. Nossa, pior dia. Antes de sair de casa peguei meu marido olhando para minha barriga, ele só olha daquele jeito quando acha que engordei. Para terminar de acabar com minha vida meu pai me pergunta se engordei e se estou me “cuidando" porque to barriguda. PAI EU NÃO ESTOU GRÁVIDA, DROGA! 

Puta que pariu, se você um dia pesou 56kg não queira voltar aos 60kg jamais!

Estou pesando 59,8kg, um quilo a mais que a última pesagem. Sou ridícula.

Para completar o garoto da aposta me cobrou o resultado, disse que estou engordando e esfregou os 54,7kg na minha cara. Ta me chamando de 58kg agora. Quero estourar a cabeça dele.

Isso tudo é culpa minha, dessa minha gula desgraçada. Isso serve para me mostrar que eu nuncanuncanunca posso sair da linha. 

O plano agora é emagrecer ou morrer gorda. Como se o plano não fosse sempre esse.

Pelo menos to ouvindo os gritos da ana, tentando me arrastar de volta.  
Tenho pena de mim, ela quer arrancar minha pele.
Merecido.

OK, acho que já escrevi demais. Fiquem com o meu futuro corpo.



beijos ♥